English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

quarta-feira, fevereiro 17

Avó, sinto a tua falta

A 29 de janeiro publiquei uma carta para a minha avó materna que fazia 93 anos se fosse viva. Lembram-se? Pois, hoje faz 24 anos que faleceu. Além de não ter quaisquer lembranças dela, porque ainda ia fazer dois anos, ela partiu exatamente a dois meses de eu fazer anos, sim, reparem que hoje são 17 de fevereiro e eu faço anos a 17 de abril.

Amigos, quem tem os seus avós vivos, aproveitem bem. Digo-vos que perdi os meus dois avós maternos aos dois anos, a minha avó paterna aos seis e o avô aos 16. Embora esse tenha sido até mais tarde, não era muito próxima dele, porque de nove netos ele tinha preferência por um. Eu sinto muito, muito a falta dos meus. Há avós e avós, eu sei, mas a maioria são como se fossem os nossos segundos pais. Aproveitem enquanto têm, ajudem-nos, amem-nos e estimem-nos, porque quando eles partirem vão sentir muito a falta deles, acreditem. Dói-me tanto o coração quando vejo a maltratarem-nos.

Avó, amo-te eternamente, estejas onde estiveres! 

14 comentários:

  1. Custa horrores perder alguém que nos é especial, estes dias são sempre complicados de passar =\

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  2. E esteja ela onde estiver deve estar orgulhosa de ti :)

    ResponderEliminar
  3. Tenho tantas saudades dos meus avós!

    r: Muito obrigada

    ResponderEliminar
  4. Acho que na altura escrevi que nunca tive muita convivência com os meus avós. Eles morreram antes de eu nascer, uma delas morreu quando tinha 6 anos e nunca vivi com ela e a última morreu com 98 anos, estava eu na tropa, em Angola, mas nós morámos sempre aqui próximo de Lisboa e ela morava em Castelo Branco.
    Bem sei que hoje em dia 250 Km não é longe. Mas naquela época ninguém tinha carro e o dinheiro era tão pouco, que para irmos à terra da minha mãe, quando eu tinha 16 anos, teve ela que andar dois anos a fazer mealheiro.
    A vida era mesmo triste quando eu era miúdo... :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, eu lembro-me. É uma pena mesmo, lamento muito. Beijinho

      Eliminar
  5. Como eu te entendo... Sempre adorei o meu avô paterno e lembro-me tão bem dele e só tinha 3 anos quando ele morreu, foi e é o avô de quem tenho mais saudades. Ainda há dias falei nisso! Enfim, acredito que um dia ele estará à minha espera quando chegar a minha hora de ir também.

    beijinho
    www.blogasbolinhasamarelas.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós que os perdemos cedo demais, sabemos bem o que custa :/ beijinho querida

      Eliminar
  6. Obrigada pelo teu post, Daniela, faz falta! A maioria das pessoas não dá esse valor aos avós e por vezes nem aos pais. Infelizmente também convivi muito pouco com os meus, mas convivi muito com a avó do meu marido, que faleceu no ano passado, e a quem também considero minha avó!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é ótimo, quando podemos chamar ao outro de nosso :) Beijinho

      Eliminar
  7. Querida Daniela feliz de quem teve ou tem a felicidade de conviver com os avós.
    São perdas difíceis de superar. Eu não conheci os meus e nem os meus pais estão neste mundo terreno
    Mas vamos levando a vida. Um dia iremos nos encontra e lá do outro lado quem sabe eu posso conhecer os meus.
    Um beijo carinhoso querida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São mesmo felizes e nem sabem a sorte que têm :) Beijinho

      Eliminar